O resgate de Brutus, o pit bull abandonado

Este cão vaga sozinho pelas ruas, sem abrigo nem alimento se atira sobre carros na primeira oportunidade.

Resgates de animais abandonados podem ser bastante complicados. Um cão pode se revelar tímido ou amedrontado. Muitos animais fogem dos voluntários de centros de resgate, tratamento e adoção, em uma prova clara de que não conseguem confiar em ninguém que se aproxime. Em se tratando de um pit bull, ele também desperta o medo dos pedestres, seja pela suposta agressividade, seja por possivelmente portar doenças transmissíveis. A vida dos cães sem teto não é nem um pouco fácil.

O estereótipo dos pit bulls não ajuda em nada: a raça está envolvida em histórias de ataques violentos, inclusive provocando mortes. Na verdade, muitos destes animais são realmente agressivos, mas quase sempre o motivo é a má educação recebida: algumas pessoas gostam de ter um “cão feroz”. Alguns são utilizados em rinhas, apesar de elas serem ilegais na maioria dos países.

Mesmo assim, a Hope for Paws (esperança para as patas), uma ONG sediada em Los Angeles (Califórnia, EUA), não mede esforços para recolher os animais. O trabalho da entidade é centralizado no resgate, tratamento veterinário e adoção dos pets desprezados.

O resgate do Brutus, o pit bull abandonado

Em uma das incursões pelas ruas de Los Angeles, a equipe da Hope for Paws encontrou em outubro de 2016, nas palavras dos voluntários, “o pit bull mais dócil do mundo”. Eles receberam uma chamada telefônica de uma mulher que trabalha na região, notificando sobre um cão abandonado no centro da cidade. O animal foi finalmente encontrado em uma rua praticamente deserta, sem companhia, abrigo ou alimento.

Como regra geral, os pit bulls, especialmente quando estão perdidos nas ruas, tendem a exibir um comportamento bastante agressivo. Não foi o caso, no entanto, deste cão abandonado, um pit bull black nose, branco e jaspe, com uma mancha no olho esquerdo. Lisa Arturo e Eldad Hagar, voluntários da ONG, perceberam rapidamente que o animal era dócil, apesar de estar assustado com a presença dos recém-chegados.

Assim que chegaram ao beco onde o animal tentava se proteger, os voluntários chamaram-no da janela do carro e Brutus, apesar de muito desconfiado, mostrou-se curioso e começou a se aproximar, espreitando o capô do automóvel.

Brutus demonstrou nervosismo quando Lisa e Eldad deixaram o carro e voltou para trás, até entender que estava a uma distância segura, observando o par. No entanto, quando ele notou que os voluntários tinham comida, não demorou muito para ele se aproximar, fazendo festa para os novos amigos.

O animal foi atraído com alimento – ele estava faminto – e com um tom de voz carinhoso, rapidamente se aproximou e recebeu o nome de Brutus. O pit bull, de cerca de 18 meses de idade, demonstrou estar muito satisfeito em conhecer novos amigos (e, principalmente, em receber comida). Depois de muitos dias perambulando sem rumo pelas ruas, o cão estava quase pronto para encontrar uma nova família.

Arturo aproximou-se do cão com uma corrente. Prendeu o animal e certificou-se de que Brutus não exibia ferimentos. O cachorro não esboçou nenhum movimento para escapar. Ao contrário: ele curvou a cabeça, para facilitar a colocação da corrente em seu pescoço.

O resgate durou menos de dez minutos. Eldad Hagar conta que encontrar Brutus pelas ruas de Los Angeles tomou muito mais tempo do que o recolhimento em si. Já no carro, a caminho do abrigo, o pit bull parece ter se cientificado de que estava sendo bem tratado – e os dias nas ruas tinham acabado para sempre. Em poucos instantes, ele passou a lamber e beijar os benfeitores.

Eldad descreve o pit bull: “ele é um cachorro atrapalhado, mas gosta de proteger os humanos à sua volta; é um cachorro doce e amável, não terá problemas para encontrar um novo lar rapidamente. Com certeza, este foi um dos trabalhos mais fáceis executados pela Hope for Paws; Brutus estava pronto para ser resgatado: ele queria sair das ruas”.

Brutus havia sido “adotado” por um grupo de trabalhadores de uma oficina mecânica nas imediações, que o alimentaram e cuidaram da melhor maneira possível. No entanto, o que o pit bull mais necessitava era deixar as ruas e conquistar uma nova casa.

A legislação americana (Breed Specific Legislation) estabelece normas para reduzir a criação de cães considerados agressivos, como o pit bull e o rottweiler. O debate, no entanto, continua. Os defensores destas raças alegam que um cão não pode ser definido simplesmente em função da raça. Cada animal tem o próprio temperamento e a criação responsável elimina os traços de violência e agressão.

 

Artigos Recomendados