PORQUÊ VISITAR ESTOCOLMO EM DEZEMBRO?

Não deixe que os dias frios e curtos do inverno nórdico o intimidem. Estocolmo é o destino de inverno perfeito! O ar límpido invernal e o vento frio que sopra do Báltico apenas complementam e fazem sobressair o charme da capital sueca.

O frio é um conceito relativo para os habitantes deste país nórdico. Dizem até que não existe tal coisa como tempo frio, apenas vestuário inadequado. Por isso, encha as malas de camisolas térmicas, cachecóis e gorros e rume a norte, com destino a este paraíso de inverno europeu.

Mercados de Natal

Os mercados de Natal são um clássico das festividades europeias. A história dos mercados de Natal remonta ao final da Idade Média no centro e norte europeus, onde os principais mercados de Natal decorrem anualmente durante este período festivo. Atualmente, os mercados de Natal são populares entre habitantes locais e turistas, concedendo um lugar de destaque ao artesanato tradicional, iguarias festivas, carrosséis e concertos, combinados com a maravilhosa decoração natalícia.

O principal mercado de Natal de Estocolmo decorre anualmente na praça central de Gamla Stan, a cidade velha da capital sueca, um dos maiores e mais bem preservados centros medievais europeus. Rodeada de casas coloridas, arcos e grinaldas iluminadas e uma árvore na Natal gigante, pequenas barracas de madeira vendem iguarias e peças de artesanato tradicionais do Natal sueco.

 

Entre os locais

Um dos aspetos mais distintivos dos mercados de Natal de Estocolmo, assim como de outras atividades culturais oferecidas pela cidade, prende-se com a elevada participação e envolvimento dos locais. Em visita a um mercado de Natal estará entre suecos, que aproveitam a companhia de família e amigos, enquanto bebericam vinho quente, acompanhado das tradicionais bolachas de gengibre.

O mesmo se aplica a outros espaços culturais da cidade, como museus, salas de concertos, restaurantes e bares. Os locais participam nestas atividades, percorrendo animadamente as ruas da sua própria cidade e apreciando o que esta tem para lhes oferecer. Isto significa que dificilmente cairá nas temidas armadilhas turísticas. Os eventos são organizados primeiramente para os locais, pelo que os turistas são nada mais do que um bem-vindo complemento.

Skansen

Skansen é exemplo disso mesmo. Criado no final do século 19, é o primeiro museu e jardim zoológico a céu-aberto do mundo. Lá poderá encontrar edifícios provenientes de toda a Suécia, relembrando a diversidade cultural do país através das suas construções típicas e tradições.

Seria de esperar que a sua localização pitoresca, entre casas e oficinas tradicionais e figurinos vestidos com trajes regionais, defronte a uma das melhores vistas de Estocolmo, atrairia apenas turistas em visita à cidade. Porém, os locais invadem este espaço na época festiva, entusiasmados com a possibilidade de aproveitarem o programa natalício, que inclui celebrações, concertos e o seu próprio mercado de Natal.

Gastronomia rica

A gastronomia sueca é um dos segredos mais bem guardados do país. Farta e rica, a cozinha tradicional é o complemento perfeito para os dias frios de inverno. O Glögg, ou vinho quente, aquece os transeuntes que se aventuram no frio nórdico, acompanhado de uma Pepparkakor, o tradicional biscoito de gengibre e canela, ou o pão de açafrão conhecido como Lussekatter.

Os mercados de Natal são também o local perfeito para comprar queijos, compotas, fumados e provar alguns clássicos da cozinha sueca, como a carne escura e de sabor forte de espécies locais como o alce, a rena e o veado.

Iluminações

Em dezembro os dias são curtos. Às três da tarde começa a escurecer e em apenas uma hora Estocolmo fica mergulhada na escuridão. A luz, que perdura poucas horas neste período do ano, é um elemento repleto de significado. Não é por isso de admirar que uma das tradições culturais mais importantes na Suécia seja a celebração de Santa Lucia, a portadora da luz nos escuros invernos suecos, celebrada anualmente no dia 13 de dezembro.

Esta celebração recua nas suas origens a Santa Lucia de Siracusa, uma mártir do século 3 que, de acordo com a lenda, usava uma coroa de velas sobre a cabeça, que iluminava o seu caminho quando descia às catacumbas onde os cristãos se escondiam, deixando as suas mãos livres para transportar a comida que lhes levava. As procissões de velas decorrem anualmente em todo o país e são frequentemente acompanhadas de concertos e coros infantis, assim como do imprescindível Lussekatter.

As ruas estão iluminadas com espetaculares iluminações e decorações natalícias, com grinaldas e arcos sobre as ruas. As janelas das casas, lojas e escritórios iluminam-se com velas, dando aos transeuntes a sensação de companhia constante, mesmo durante a noite. As luzes nunca se apagam, iluminando o caminho daqueles que se aventuram pela cidade depois de escurecer.

Ruas vazias

O dia termina cedo na Suécia. Os suecos jantam entre as cinco e as seis da tarde pelo que, quando a vida noturna está apenas a começar em alguns destinos mundiais, os suecos regressam já às suas casas.

No entanto, este fenómeno tem um efeito colateral maravilhoso! Devido ao frio e à neve as ruas da cidade ficam completamente vazias, mas não de uma forma fantasmagórica e assustadora. É algo verdadeiramente pitoresco!

O silêncio é absoluto e o centro antigo da cidade, com as suas ruas estreitas de paralelo e casas coloridas reminiscentes de tempos medievais, fica inteiramente para aqueles que têm a coragem de enfrentar as noites frias de dezembro.

Artigos Recomendados